• O QUE HÁ POR AQUI

    Neste site você encontra assuntos relacionados a Comunicação Social. Além de textos sobre o contexto digital, portfólio de trabalhos realizados e entrevistas concedidas, neste espaço também estão publicados resumos, aulas, vídeos, tutoriais e apresentações para turmas de Pós-Graduação e Graduação em Jornalismo, Publicidade.

  • RÁDIO UNIVERSITÁRIA

    Rádio UNINOVE é um projeto da disciplina de Práticas de WebJornalismo, desenvolvido pelo Prof. Me. Eduardo Natário. O objetivo deste veículo é, além de estudar o assunto Podcast e Rádio Web, publicar os conteúdos produzidos pelos alunos do 4º semestre de jornalismo.

  • PRÁTICAS DE WEBJORNALISMO

    Esta seção foi criada exclusivamente para a publicação dos conteúdos das aulas de Práticas de WebJornalismo. Esta disciplina, oferecida para os alunos do 4 semestre de Jornalismo, tem como objetivo preparar o estudante de comunicação para o novo cenário do Jornalismo Multimídia. As postagens estão relacionadas a produção de vídeo, podcast, aprimoramento de técnicas de fotografia, jornalismo investigativo on-line, e sobre o atual contexto de interações mediadas pelas redes digitais.

  • PRODUÇÃO JORNALÍSTICA

    As postagens identificadas como ‘Produção Jornalística’ trazem conteúdos relacionados a execução prática de um produto criado para Internet. No conteúdo desta disciplina estão textos e tutoriais que permitem a criação de um site, sob plataforma web 2.0, com webpublisher, organização e gerenciamento de conteúdos, desenvolvimento de layout, wireframe, mapa de navegação e todos os demais requisitos para a criação de um produto web profissional.

  • FOTOGRAFIA

    Aqui estão os slides das aulas de Fotografia, lecionadas para as turmas do Bacharelado em Jornalismo e Publicidade. Além dos slides estão aulas especiais, os vídeos passados em aula, infográficos sobre fotografia e aplicativos de simulação de câmera profissional.

terça-feira, novembro 07, 2017

Software, Hardware e Formatos - Atividade 4 RTV

Nesta atividade cada grupo desenvolverá o tema proposto, sorteado em sala de aula no dia 7 de novembro, com uma apresentação de 10 minutos (com powerpoint), acompanhada de trabalho impresso nas normas ABNT a ser entregue no mesmo dia.

O objetivo é falar sobre o tema envolvendo Software, Hardware e Formatos. Esta atividade vale 4,0 pontos na nota da AV1 e todos os integrantes do grupo devem estar presentes na apresentação.


Dia 14 de novembro - Apresentação dos grupos em sala de aula e entrega da parte impressa

1- Favela Sampa (Tema: Facebook Live)
2- Set Produções (Tema: Ilha de Edição)
3- Lumière (Tema: Gravadores de áudio)
4- Temática (Tema: E-book multimídia)
5- Idéia Produções (Tema: Lentes para DSLR e câmeras profissionais)

Dia 21 de novembro - Apresentação dos grupos em sala de aula e entrega da parte impressa

1- Cronos (Tema: 4k HDR)
2- In Foco (Tema: Tripés)
3- Libertad (Tema: White Balance e Aberração Cromática)
4- Rec (Tema: Vídeo 360º)
5- Take Produções (Tema: Sensores de câmera)




segunda-feira, novembro 06, 2017

Gravação e edição de nota coberta - Atividade 5 EDIÇÃO

Nesta atividade vamos editar o texto para ser lido, gravar a cabeça e depois editar as imagens de uma nota coberta para TV, inserindo as imagens para ilustrar a matéria televisiva.

O Assunto é o lançamento do jogo 'Super Mario Odyssey' para console Nintendo Switch. Para termos como referência está aqui um texto retirado do jornal Folha de S. Paulo sobre o lançamento, que aconteceu no final de agosto de 2017.

A atividade é individual, portanto cada aluno deve trazer seu texto impresso na lauda padrão de telejornalismo para entregar ao professor como parte da atividade.

Esta nota coberta deve ter entre 45 segundos e 1 minuto, e a cabeça da matéria será gravada junto com o off em sala de aula conforme a escala abaixo.

TURMA DA MANHÃ:  (Aula de Segunda-feira, Campus Memorial)

Grupos que gravarão a cabeça no dia 13/11/2017 (entrega até o dia 03/12)
- AZ
- Happy
- Excence
- Akron
- Revenge

Grupos que gravarão a cabeça no dia 27/11/2017 (entrega até o dia 03/12)
- Octopus
- Key
- Infinity
- News
- Queen

TURMA DA NOITE:  (Aula de Sexta-feira, Campus Memorial)

Grupos que gravarão a cabeça no dia 24/11/2017 (entrega até o dia 03/12)
- Grupo: Plenus
- Grupo: Creativita
- Grupo : Innovate
Grupo : Recomeço

Grupos que gravarão a cabeça no dia 01/12/2017 (entrega até o dia 08/12)
- Grupo: Otto
- Grupo: Lemonde
Grupo: Fresh News
Grupo: **Guilherme Nunes

-------------------------

Link para postar vídeo editado (Turma da manhã)
https://drive.google.com/open?id=0B5Z5DUx26LazVS16c3hLYzR0eU0


Link para postar vídeo editado (Turma da noite)
https://drive.google.com/open?id=0B5Z5DUx26LazR1ZDUHZyYzlVOGc

-------------------------


Checklist da Atividade (Esta atividade é individual):

- Pegar o pdf com texto de apoio sobre o assunto da gravação. (link da matéria original);

- Escrever a matéria para a nota coberta (cronometrar o tempo de leitura entre 45 segundos e 1 minuto);

- Imprimir a lauda de telejornalismo com o texto (e marcações) e levar no dia da gravação para entregar como parte da atividade;

- Gravar a cabeça na data definida ao grupo acima, na sala de aula junto ao professor;

- Pegar seu trecho de vídeo bruto gravado no Google Drive (turma da manhã e turma da noite);

- Baixar vídeo de apoio 1 com o trailler do jogo e vídeo de apoio 2 com 20 minutos de jogo para servir de ilustração na edição da nota coberta

- Editar o vídeo e exportar em HD 720p;

- Publicar o vídeo editado no espaço do Google Drive da turma com, sendo o nome deste arquivo deve ser o nome do autor do trabalho e da agencia, ex: joão-nome-da-agencia.mp4

- Data final da entrega desta atividade 3 de dezembro de 2017 até as 23h59. 
(Obs. A turma que grava no dia 1 de dezembro pode entregar a atividade no Google Drive até o dia 08/12).




segunda-feira, outubro 23, 2017

A linguagem do Cinema e Jornada do Herói

A Jornada do Herói Mitológico 
Muitos consideram que um dos mais importantes livros do século XX foi “O Herói de Mil Faces”, de Joseph Campbell. Paralelamente às teorias de Carl Jung sobre os arquétipos e o inconsciente coletivo, Campbell trabalha a noção de que as histórias (todas elas) estão ligadas por um fio condutor comum. Assim, desde os mitos antigos, passando pelas fábulas e os contos de fadas até os mais recentes estouros de bilheteria do cinema americano, a humanidade vem contando e recontando sempre as mesmas histórias.

Esta “história oculta” dentro de outras histórias é chamada por Campbell de “A Jornada do Herói Mitológico”, e tem servido de base e orientação para profissionais que estudam e se dedicam às diversas formas do “storytelling” (o contar histórias), desde psicólogos, escritores e contadores de histórias, dramaturgos, roteiristas e críticos de cinema.

-------------------------------------------------------------------
Segundo Campbell, seria possível estruturar qualquer história a partir do roteiro básico da “Jornada do Herói”, e vice-versa, ou seja, é possível “desmontar” as histórias, identificando nelas os passos que constituem a “Jornada”.
-------------------------------------------------------------------


Partindo dos conceitos de Campbell, Chistopher Vogler estruturou um esquema semelhante à “jornada do herói”, só que mais adequado às narrativas contemporâneas (cinema, TV etc.). Em seu livro “A Jornada do Escritor”, ele indica os seguintes passos para a criação de uma história que siga a estrutura da “jornada” de Campbell:

Etapa da jornada do herói, seguindo o roteiro de Christopher Vogler:
1. O MUNDO COMUM
2. CHAMADO À AVENTURA
3. RECUSA DO CHAMADO
4. ENCONTRO COM O MENTOR
5. TRAVESSIA DO PRIMEIRO LIMIAR
6. TESTES, ALIADOS E INIMIGOS
7. APROXIMAÇÃO DA CAVERNA OCULTA
8. A PROVAÇÃO SUPREMA
9. RECOMPENSA
10. CAMINHO DE VOLTA
11. RESSURREIÇÃO
12. RETORNO COM O ELIXIR

Em resumo:
1. O Herói é apresentado no mundo comum, onde recebe um chamado à aventura.
2. Primeiro recusa o chamado, mas num encontro com o mentor é encorajado a fazer a travessia do primeiro limiar e entrar no mundo especial, onde encontra testes, inimigos e aliados.
3. Na aproximação da caverna oculta, cruza um segundo limiar onde enfrenta a provação suprema.
4. Ganha sua recompensa e é perseguido no caminho de volta ao mundo comum.
5. Cruza então o terceiro limiar, experimenta uma ressurreição e é transformado pela experiência.
6. Chega então o momento do retorno com o elixir, a benção ou o tesouro que beneficia o mundo comum.

- Leia o texto completo sobre a Jornada do herói (texto de Christopher Vogler, a partir de Joseph Campbell) e aqui o artigo de Albert Paul Dahoui sobre o assunto.


CAMPBELL, Joseph. O Herói de Mil Faces. São Paulo, Editora Cultrix/Pensamento, 1995.
VOGLER, Christopher. A Jornada do Escritor. Rio de Janeiro, Ampersand Editora, 1997.

-------------------------------------------------------------------

Cinema europeu x cinema de hollywood
Uma das melhores definições sobre a diferença entre um filme europeu e um filme americano foi feita pelo mestre Hitchcock. Ele disse que o filme europeu pode abrir com uma imagem de nuvens, cortar para outro plano de nuvens, e então cortar para um terceiro plano de nuvens.
Se um filme americano abre com uma imagem de nuvens, deve cortar para um plano de um avião, e se no terceiro plano o avião não tiver explodido, a platéia estará entediada. (Fonte: Blog Roteiristas).



O cinema de Holywood geralmente direciona nossa atenção, focando e direcionando o olhar do espectador.


Na narrativa européia as cenas podem mostrar uma ação em primeiro plano e, ao fundo, outro acontecimento no mesmo quadro pode ser parte importante (uma chave) para desvendarmos
o quebra-cabeças história central.
(O olhar do espectador é menos direcionado do que no cinema de Hollywood)




Slides da aula 'Linguagem do cinema'




O Zoopraxiscópio de Eadweard Muybridge 










A fotografia em movimento de Eadweard Muybridge 




Filme: Viagem para a lua (A trip to the moon)






Instruir, Entreter e Informar



1. INSTRUIR
2. ENTRETER
3. INFORMAR



(Clique na imagem acima para ampliar)


(O Trecho acima foi retirado do livro: Manual de programação de programas da BBC – British Broadcasting Corporation. Ibid ‘Generos e formatos na televisão Brasileira’. José Carlos Aronchi de Souza)

Novela


Entreter: A novela é para o brasileiro um entretenimento barato e está acessível gratuitamente a todos que possuam um aparelho de televisão. A novela sempre traz histórias com romance - de época, contemporâneo ou com foco em humor.

Instruir
: As novelas atuais trazem merchandising social (mostram como parte da trama assuntos como doação de órgãos, campanhas de prevenção à AIDS, câncer, contra o fumo etc..). Quando nas novelas os autores colocam na trama identidades de outros países, mesmo que estereotipados, identificamos esforços no sentido de ‘instrução’ e educação na TV.



-----------------------------------
A televisão também empresta do cinema o formato de construção de roteiros, mas agora, com a facilidade e mobilidade desses equipamentos menores e mais baratos, é possível fazer novas formas de enquadramento e jogos de câmera, com cortes de cena diferentes da linguagem cinematográfica.
-----------------------------------


Roteiro de Christopher Vogler na telenovela brasileira
(baseado na Jornada do Herói Mitológico de Joseph Campbell)


1. O Herói é apresentado no mundo comum, onde recebe um chamado à aventura.
2. Primeiro recusa o chamado, mas num encontro com o mentor é encorajado a fazer a travessia do primeiro limiar e entrar no mundo especial, onde encontra testes, inimigos e aliados.
3. Na aproximação da caverna oculta, cruza um segundo limiar onde enfrenta a provação suprema.
4. Ganha sua recompensa e é perseguido no caminho de volta ao mundo comum.
5. Cruza então o terceiro limiar, experimenta uma ressurreição e é transformado pela experiência.
6. Chega então o momento do retorno com o elixir, a benção ou o tesouro que beneficia o mundo comum.


Sobre o receptor na TV
----------------------------------------
“O pesquisador Mauro Wilton de Souza (1995), no texto ‘Recepção e comunicação: a busca do sujeito’ diz que essa idéia de domínio total é “uma relação que subentende um emissor genérico, macro, sistema rede de veículos de comunicação, e um receptor específico, indivíduo, despojado, fraco, micro, decodificador, consumidor de supérfluos; como se existissem dois pólos que necessariamente se opõem, e não eixos de um processo mais amplo e complexo”, e por isso tais pensamentos são permeados de contradições.”
----------------------------------------
NATÁRIO, Eduardo. “O controle remoto como configurador da interatividade na televisão”.  Dissertação de Mestrado. Universidade Paulista – Unip, São Paulo, 2005


OU SEJA: O RECEPTOR TEM A SUA IMPORTÂNCIA
 NA DECODIFICAÇÃO DAS IMAGENS DA TV

----------------------------------
Videoclipe

O clipe Reptilia, da banda Strokes, mostra planos fechados e um videoclipe feito pensado nas particularidades imagéticas da TV. Clique aqui para ver este clipe na página do YouTube




Clipe: Bad Day - Daniel Powter (acima)
A TV empresta do cinema parte da construção da narrativa para alguns programas como telenovela, reality show, mini séries e videoclipes com histórias (como no exemplo do clipe de Daniel Powder “Bad Day”), mas ainda ‘divide a tela’ fazendo referência a uma das principais características da TV, a FRAGMENTAÇÃO.

Programação fragmentada
- A imagem é fragmentada e os gráficos na tela tornam a imagem não natural. 
- A programação é fragmentada (comerciais)
- Com o controle remoto o espectador fragmenta ainda mais a programação.
- Imagem e som são em baixa definição (meio frio – baixa definição – Marshall McLuhan).
- Na TV a edição/corte não busca a continuidade.

-------------------------------------
Programas de TV

Telejornal
- Instruir, Entreter, Informar
- Nas redes de televisão é necessária uma homogeneização da linguagem (língua ‘média’ –  massa) e de padrões.
- As vinhetas são parecidas para reafirmar a força da rede.
(VÍDEO 01 – vinhetas: Padrão, Pernambuco, Espirito Santo, Pará, Bahia)
- No início do telejornal existe a ESCALADA. Podemos comparar a escalada do telejornal ao índice (do livro), a sinopse (do filme) e as manchetes (do jornal impresso).
(VÍDEO 02 – ESCALADA do telejornal)



Programa de auditório
- Principalmente Entreter
- Banheira do gugu (qual o propósito? – Primeiridade)
- Personagens (reforma da casa, de volta para casa)
- Histórias curiosas
- Shows musicais populares
- Pegadinha (susto, emoção, humilhação)


Programa Policial
- Instruir, Entreter, Informar
- Factual, mostra o dia-a-dia das ruas
- História com personagens
- Prestação de serviço: enchentes, condição do tempo
- Geralmente linguagem apelativa
- A maioria das notícias do programa policial possuem ‘vida curta’
- A maioria das informações é hardnews (notícias quentes)

A linguagem da TV

1. INSTRUIR
2. ENTRETER
3. INFORMAR


(Clique na imagem acima para ampliar)


(O Trecho acima foi retirado do livro: Manual de programação de programas da BBC – British Broadcasting Corporation. Ibid ‘Generos e formatos na televisão Brasileira’. José Carlos Aronchi de Souza)

Novela


Entreter: A novela é para o brasileiro um entretenimento barato e está acessível gratuitamente a todos que possuam um aparelho de televisão. A novela sempre traz histórias com romance - de época, contemporâneo ou com foco em humor.

Instruir
: As novelas atuais trazem merchandising social (mostram como parte da trama assuntos como doação de órgãos, campanhas de prevenção à AIDS, câncer, contra o fumo etc..). Quando nas novelas os autores colocam na trama identidades de outros países, mesmo que estereotipados, identificamos esforços no sentido de ‘instrução’ e educação na TV.



-----------------------------------
A televisão também empresta do cinema o formato de construção de roteiros, mas agora, com a facilidade e mobilidade desses equipamentos menores e mais baratos, é possível fazer novas formas de enquadramento e jogos de câmera, com cortes de cena diferentes da linguagem cinematográfica.
-----------------------------------



Programa de TV

1. Contar histórias
2. Mostrar o óbvio
3. Falar e mostrar
4. Personagem
5. Especialista no assunto
6. Contextualizar o assunto
7. Mostrar ação
8. Áudio + vídeo em sincronia
9. Identificar as pessoas (GC)
10. Gráficos para explicar


-----------------------------------


Roteiro de Christopher Vogler na telenovela brasileira
(baseado na Jornada do Herói Mitológico de Joseph Campbell)


1. O Herói é apresentado no mundo comum, onde recebe um chamado à aventura.
2. Primeiro recusa o chamado, mas num encontro com o mentor é encorajado a fazer a travessia do primeiro limiar e entrar no mundo especial, onde encontra testes, inimigos e aliados.
3. Na aproximação da caverna oculta, cruza um segundo limiar onde enfrenta a provação suprema.
4. Ganha sua recompensa e é perseguido no caminho de volta ao mundo comum.
5. Cruza então o terceiro limiar, experimenta uma ressurreição e é transformado pela experiência.
6. Chega então o momento do retorno com o elixir, a benção ou o tesouro que beneficia o mundo comum.


Sobre o receptor na TV
----------------------------------------
“O pesquisador Mauro Wilton de Souza (1995), no texto ‘Recepção e comunicação: a busca do sujeito’ diz que essa idéia de domínio total é “uma relação que subentende um emissor genérico, macro, sistema rede de veículos de comunicação, e um receptor específico, indivíduo, despojado, fraco, micro, decodificador, consumidor de supérfluos; como se existissem dois pólos que necessariamente se opõem, e não eixos de um processo mais amplo e complexo”, e por isso tais pensamentos são permeados de contradições.”
----------------------------------------
NATÁRIO, Eduardo. “O controle remoto como configurador da interatividade na televisão”.  Dissertação de Mestrado. Universidade Paulista – Unip, São Paulo, 2005


OU SEJA: O RECEPTOR TEM A SUA IMPORTÂNCIA
 NA DECODIFICAÇÃO DAS IMAGENS DA TV

----------------------------------
Videoclipe

O clipe Reptilia, da banda Strokes, mostra planos fechados e um videoclipe feito pensado nas particularidades imagéticas da TV. Clique aqui para ver este clipe na página do YouTube




Clipe: Bad Day - Daniel Powter (acima)
A TV empresta do cinema parte da construção da narrativa para alguns programas como telenovela, reality show, mini séries e videoclipes com histórias (como no exemplo do clipe de Daniel Powder “Bad Day”), mas ainda ‘divide a tela’ fazendo referência a uma das principais características da TV, a FRAGMENTAÇÃO.

Programação fragmentada
- A imagem é fragmentada e os gráficos na tela tornam a imagem não natural. 
- A programação é fragmentada (comerciais)
- Com o controle remoto o espectador fragmenta ainda mais a programação.
- Imagem e som são em baixa definição (meio frio – baixa definição – Marshall McLuhan).
- Na TV a edição/corte não busca a continuidade.

-------------------------------------
Programas de TV

Telejornal
- Instruir, Entreter, Informar
- Nas redes de televisão é necessária uma homogeneização da linguagem (língua ‘média’ –  massa) e de padrões.



segunda-feira, outubro 16, 2017

VT com OFF - Atividade 2 EDIÇÃO

Nesta atividade vamos editar um VT de 2 minutos, à partir do material da atividade de decupagem de vídeo das Olimpíadas que realizamos.

- Este TV deve ter também locução em OFF e Trilha/BG.

- O som de fundo (trilha ou BG) deve ter no máximo 5% do volume quando está sobre a voz do locutor, e pode-se alternar entre BG/Trilha e sons originais do vídeo.

- Evite deixar trechos com a narração que vieram junto com o vídeo.

- Os vídeos da decupagem estão disponíveis para download em: http://natario.com.br/olimpiadas. Apenas trechos destes vídeos devem ser usados para compor o TV.

- A entrega do vídeo editado final deve ser feita apenas por este endereço do Google Drive. O nome deste arquivo deve ser com o primeiro nome de cada integrante do grupo, ex: joão-maria-jose-felipe.mp4


Depois de editado publique o vídeo de 2 minutos (no formato .mp4) nos locais abaixo:

Turma da Manhã - (Segunda-feira - Sala 724)
https://drive.google.com/open?id=0B5Z5DUx26LazSWJQZDZ2XzdCY2s

Turma da Noite - (Sexta-feira - Sala 907)
https://drive.google.com/open?id=0B5Z5DUx26LazcDQ3TWlva0ZyMUk